Confie em Deus

fevereiro 26, 2011

“não vos preocupeis por vossa vida, pelo que comereis, nem por vosso corpo, pelo que vestireis. A vida não é mais do que o alimento e o corpo não é mais que as vestes? Olhai as aves do céu: não semeiam nem ceifam, nem recolhem nos celeiros e vosso Pai celeste as alimenta. Não valeis vós muito mais que elas?”  (Mt 6,25-26)

Estas palavras parecem simples de mais e fora da realidade. A primeira vista, tem-se a impressão de que Jesus não valoriza a importância do estudo, trabalho…enfim, os esforços por uma condição de vida melhor. E na verdade, Ele usou um exemplo da natureza – as aves e flores –para mostrar como Deus cuida com amor da Sua criação. Deus provê água, luz e calor para sustentar tudo o que vive e respira.

Se Ele procede assim com as aves e flores, muito mais podemos espera nós, que somos criados a sua imagem e semelhança. Ele tem a provisão para as nossas necessidades materiais e físicas, e também para nossa mente, coração e alma.

Nós existimos para Deus. A nossa vida esta em seu coração. Se entendêssemos a grandeza e profundidade do seu amor por nós, não viveríamos longe Dele, e nem diminuiríamos o nosso fervor.

O que fazer?

Não se trata de algo fácil. O mundo, com todas as suas preocupações, tenta roubar a nossa fé e confiança na ajuda de Deus. No lugar coloca a sensação de medo

em relação ao futuro. E o resultado é nos tornar escravos das coisas e distantes de Deus.

Qual é a saída?

Primeiro passo: Mt 6,33

“Buscai em primeiro lugar o Reino de Deus e a sua justiça e todas estas coisas vos serão dadas em acréscimo.”

Significa priorizar Deus em nossa vida, de modo que nossos pensamentos estejam voltados para Sua vontade, e nossa vida reflita a confiança nos seus cuidados amorosos. A questão é: O que é realmente importante para nós: pessoas, metas, bens materiais, diversão, esporte…? Se não formos firmes em dar a Deus o primeiro lugar, qualquer outro interesse ocupa rapidamente o Seu lugar.

Segundo Passo: Mt 6,34

“Não vos preocupeis, pois, com o dia de amanhã: o dia de amanhã terá as suas preocupações próprias. A cada dia basta o seu cuidado. ”

Planejar o futuro é importante e necessário. A dedicação ao estudo é fundamental. O empenho no trabalho é necessário. Lutar por uma condição de vida melhor não tem nada de errado. Nem Sempre é fácil estabelecer a diferença entre planejar e inquietar-se. Planejar significa traçar uma meta confiando na direção e cuidados de Deus. Inquietar-se é permitir que a ansiedade de conseguir coisas ou agradar pessoas, interfira em nosso relacionamento com Deus. A nossa parte é colocar o melhor de nós em tudo, a cada dia. Deus se encarregará dos resultados. Ele sabe o que estamos necessitando. Ele jamais nos desamparará.

Diante da vida somente existem dois caminhos:

– Confiar no poder e amor de Deus,

– Ou entregar-se as preocupações e ser infeliz.

Rezemos:

“Senhor Jesus, livra-me de preocupações desnecessárias

e ajuda-me a confiar no poder e amor do Pai.”

Amém

Você quer conhecer melhor  o Sermão da montanha, então leia o meu livro O manual da felicidade o sermão da montanha. Você pode adquiri-lo nas melhores livrarias católicas ou imediatamente http://migre.me/3X73e

Anúncios

O assalto do demônio: as tentações

fevereiro 18, 2011

Um dos maiores inimigos da vida cristã vitoriosa é não compreender ou não levar a sério as palavras de Nosso Senhor em Mt 26,41: “Vigiai e orai para que não entreis em tentação. O espírito está pronto, mas a carne é fraca.” Vigiar significa jamais perder a consciência de que todos estão sujeitos a tentação. E ninguém vence a tentação sozinho, daí a importância da união com Deus pela oração.

 A igreja primitiva tinha muito claro a importância da atitude de vigilância para não cair nas armadilhas de Satanás. Eles ensinavam, por exemplo:

 – “o diabo rouba ao homem as virtudes da alma, leva-o ao vício, priva-o da liberdade, tornando-o escravo; arrebata-lhe os bens espirituais, extinguindo nele o temor de Deus, e incentivando-o a praticar as misérias da vida presente.(Orígenes)

 –  Satanás “é o grande inimigo do homem.”(Tertuliano)

 -“A esperta serpente não tem outra ânsia, outro cuidado, nem outro negócio, senão derramar o sangue das almas” (São Bento)

 O Catecismo do Concílio de Trento diz: “O demônio nos faz uma guerra sem descanso e persegue-nos com uma raiva mortal. Eis porque suplicamos a Deus para nos livrar do mal e do maligno.”

 Um dos erros da prática cristã de muitas pessoas esta em negar a existência do demônio ou a ignorância sobre esta questão.Nos dois casos fica o espaço para que Satanás semeie a sua terrível destruição.

 Os ataques de Satanás acontecem, principalmente, em três dimensões:

 – tentação

Infestação pessoal e de lugares

e mais raramente a possessão.

 Quero convidar você a reconhecer como o maligno age colocando-nos à prova por meio da tentação. A tentação é um estímulo ao mal que encontra apoio em mente e sensibilidade. Muitas tentações surgem dos apelos do mundo para que a gente pratique a mentira, desonestidade, o abuso do sexo, infidelidade matrimonial, experimente e se torne escravo das drogas, abuse do álcool…  e tantas outras seduções. Para nos levar a pecar, “Satanás se transfigura em anjo de luz…”(2Cor 11,14).Para isso, usa todos os meios capazes de atrair nossa atenção, e nos fazer cair em pecado.

 Santo Agostinho dizia: “O demônio ilude-nos com a sombra das coisas passageiras; com as ilusões nos engana e, ao enganar-nos, provoca-nos a morte.”

 A tática do demônio é encontrar o nosso ponto mais fraco.Pode ser a nossa própria vida espiritual fria ou morna, a saúde, a família, os problemas financeiros e profissionais, a afetividade…

 Se ele não encontrar nada nestas áreas, ele não desanima, porque sabe como desviar as mentes e corações do propósito de amar, servir e louvar a Deus.

 O nosso mundo com o destaque para a busca de uma condição melhor de vida,a ênfase sobre a importância da diversão,a facilidade de comunicação via internet,podem se tornar, se não vigiamos,nos novos frutos proibidos apresentadospela terrível serpente para desviar a nossa atenção de Deus. Observe como as pessoas estão sempre conectadas:Celular, Ipod, redes sociais…Exercício físico, as baladas, viagens… O pecado não esta nas atividades ou tecnologia,e sim no modo como são nos relacionamos com estas realidades.

 Na tentação o diabo sugere,quem consente e peca somos nós. Se resistimos com o escudo da fé, Satanás não tem como entrar em nossa vontade. Paulo nos diz em I Cor 10,13: “Não vos sobreveio tentação alguma que ultrapassasse as forças humanas. Deus é fiel: não permitirá que sejais tentados além das vossas forças, mas com a tentação ele vos dará os meios de suportá-la e sairdes dela.”

 

Oração para vencer as tentações

 Senhor Jesus, daí-me forças para suportar as dificuldades,

e sabedoria para me afastar do mal e das tentações.

Que todos os meus passos, atos, desejos e pensamentos,

sejam retos aos Teus olhos;

que em meu coração cresça a vontade de amar, louvar e servir a Deus.

Cria em mim um espírito de vigilância,

 para que possa reconhecer as mentiras de Satanás.

Afasta de mim este terrível inimigo e sua astúcia,

e repreende todas as suas artimanhas contra a minha vida

Guarda-me, Senhor Jesus; Guia-me. Eu Te peço e agradeço. Amém.


A Infestação maligna pessoal

fevereiro 11, 2011

O caminho do cristão é marcado pela bênção, e também é uma luta contra o diabo e seus anjos maus. “não é contra homens de carne e sangue que temos de lutar, mas contra os principados e potestades, contra os príncipes deste mundo tenebroso, contra as forças espirituais do mal (espalhadas) nos ares.” (Ef 6,12) Não podemos ignorar esta batalha espiritual, e ao mesmo tempo é importante manter viva a certeza da vitória de Jesus sobre este nosso terrível inimigo: o demônio : “Eis por que o Filho de Deus se manifestou: para destruir as obras do demônio.” (1 Jo 3,8). Esta vitória aconteceu na cruz!

 A ação diabólica se desenvolve nos mais diferentes níveis:

–  tentação

 – infestação pessoal e local

 – e possessão

 Uma das ações extraordinários do demônio, e ao mesmo tempo, uma da mais comuns, que afeta ao homem e mulher, é infestação maligna pessoal. Esta ação diabólica é como um cerco, um assédio, pois vem de fora, prejudicando a saúde, afetando a imaginação, memória, os sentidos, causando alucinação, etc… A pessoa esta consciente, sente o mal estar, e tem o livre uso da vontade.

 Um dos exemplos de infestação maligna, mais freqüentes, são as doenças, às vezes desconhecidas e inexplicáveis, sob o ponto de vista médico. É o testemunho da libertação da mulher encurvada:“Estava Jesus ensinando na sinagoga em um sábado. Havia ali uma mulher que, havia dezoito anos, era possessa de um espírito que a detinha doente: andava curvada e não podia absolutamente erguer-se. Ao vê-la, Jesus a chamou e disse-lhe: Estás livre da tua doença. Impôs-lhe as mãos e no mesmo instante ela se endireitou, glorificando a Deus.” (Lc 13,10-13). O remédio espiritual aplicado por Jesus é:a oração de libertação: “Ao vê-la, Jesus a chamou e disse-lhe: Estás livre da tua doença. Impôs-lhe as mãos e no mesmo instante ela se endireitou, glorificando a Deus.” (Lc 13,12-13)

 A influência maligna pessoal não é de fácil discernimento, como por exemplo uma possessão, onde o demônio se manifesta de um modo claro. Por isso, é importante,  usar da autoridade de Jesus, e fazer a oração de libertação. É importante combater em duas frentes:

 – Receber a oração de alguém que tenha este ministério de libertação,

 – e também rezar individualmente nesta intenção.

 Os exorcistas também afirmam que pelo mau uso da vontade ou como efeito de algum malefício do ambiente ou pessoas,acontece a infestação maligna pessoal, levando a comportamentos estranhos, difíceis e violentos. Isso se manifestaria em certas pessoas de difícil relacionamento, algumas com distúrbios graves como a criminalidade, a rebeldia, a falta de respeito pelos semelhantes, a dependência do álcool ou drogas… O remédio também nestes casos é a oração de libertação, feita com a pessoa ou intercedendo por ela.

 Somado à terapia espiritual é necessáriodar alguns passos:

 Primeiro passo: entregar a vida a Jesus

 Segundo passo: oração pessoal

 Terceiro passo: vida sacramental (confissão e eucaristia)

 Quero agora convidar você a dar o primeiro passo convidando Jesus a entrar no seu coração:

 Senhor Jesus, Eu Te agradeço por ter morrido na cruz pelos meus pecados, aí foi derramado o Teu sangue precioso para me curar,

Eu abro as portas do meu coração e te convido a ser o meu Senhor e o meu Salvador,

 Assume agora a direção da minha vida. Amém.

 

Muitas pessoas bem intencionadas tem sido derrotadas diante da vida pela ignorância ou desprezo de certas verdades espirituais a respeito da ação do demônio. A possessão é algo raro, enquanto a infestação tanto de pessoas, como locais é muito comum. A infestação pode afetar a todos, quem não é cristão, cristãos comuns e até os mais fervorosos.

 Façamos juntos o sinal da cruz: Em nome do Pai….

 Coloque a mão na sua fronte para pedir a libertação de todos os pensamentos maus:

 Em nome de Jesus renova a minha mente

 Tira todos os pensamentos de malícia, maldade, impureza, tristeza, derrota…

 Forma em mim uma vontade decidida para reagir. Amém

 

Coloque a mão no coração para pedir a libertação de todas as emoções negativas:

 Jesus entra nas emoções negativas que tem me levado ao pessimismo, tristeza, desanimo diante da vida,

 E dá agora uma nova força para viver.

 Eu repreendo toda e qualquer influência maligna que por ventura esta causado os  males que estão me atormetando.

 Jesus liberta- me da doença que tem como causa a influência maligna. Amém.

 

No coração não duvide. Não fique somente com esta oração. Continue a terapia espiritual. Se a muito tempo não se confessava, confesse. Mantenha a disciplina da oração diária, inclua o santo terço. Não falte a santa missa dominical.

 Oração de libertação

 Eis aqui a † Cruz de nosso Senhor Jesus Cristo, que garante a salvação e a vida eterna,

 a † Santa Cruz que derrota todos os espíritos malignos.

 † Retira-te de nós, habitante das trevas, oposto aos desígnios do Deus Altíssimo.

 † Afasta-te, não importa o mal que tenhas trazido aqui: bruxaria, feitiçaria, malefícios,

 magia negra, maldições familiares, mal oculto, amarrações.

 Sob o comando de São Miguel Arcanjo, que te precipitou nos infernos,

 assim te ordenamos, espírito maligno, inimigo do gênero humano, que não voltes mais a fazer mal a nós aqui presentes. Amém.

 

 

 

 

 

 

 


Orai sem cessar

janeiro 13, 2011

” Que ninguém pense, meus caros irmãos em Cristo, que o dever de orar incessantemente é somente dos sacerdotes e dos monges, mas não dos leigos. Não, não; todos nós, cristãos, temos o dever de estarmos sempre em estado de oração. Ponderem no que o santo Patriarca de Constantinopla, Filoteu, escreveu na vida de São Gregório de Tessalônica.

Este hierarca tinha um amigo amado cujo nome era Jó, um homem simples mas de boas obras. Certa vez eles estavam conversando, e o bispo disse que todos os cristãos deveriam sempre se esforçar em oração, e deveriam orar constantemente, conforme o Apóstolo Paulo exortara: Orai sem cessar (I Tessalonicenses 5:17); e conforme o Profeta David dissera de si próprio [a despeito de ser rei e de governar todo um reino]: Tenho contemplado o Senhor sempre diante de mim (Salmo 15:8), isto é, com meu olho da mente eu sempre vejo o Senhor diante de mim em oração. E São Gregório, o Teólogo, ensina a todos os cristãos que eles devem invocar o nome de Deus mais vezes do que respiram.

Tendo dito isto e muito mais, o hierarca ainda acrescentou a seu amigo Jó que não somente devemos obedecer ao mandamento dos santos, isto é, de sempre orar, mas que devemos ensinar aos demais a fazer o mesmo; a todos, sem distinção – monges e leigos, cultos e incultos, homens e mulheres, e crianças – devemos exortá-los a orar sem cessar.

O velho Jó, ao ouvir essas coisas, achou que se tratava de inovações, e começou a argumentar, dizendo ao hierarca que orar incessantemente era tarefa de ascetas e monges, ‘que viviam fora do mundo e de suas preocupações, e não de leigos, que possuem muitas preocupações e atividades’. O hierarca trouxe ainda mais evidências em favor desta verdade e novas provas irrefutáveis, mas, mesmo assim, o velho Jó não se deixou convencer. Então, a fim de evitar contendas e discussões, o santo Gregório calou-se, e cada um foi para sua cela.

Mais tarde, quando Jó estava orando sozinho em sua cela, apareceu-lhe um anjo enviado de Deus, que quer que todos os homens se salvem, e venham ao conhecimento da verdade (I Timóteo 2:4), e repreendeu-o por ter discutido com São Gregório e por ter negado uma verdade tão evidente, da qual depende a salvação dos cristãos. Ele anunciou do próprio Deus que, no futuro, ele deveria prestar atenção e tomar cuidado para não dizer nada contrário a esta questão salvífica e para não resistir à vontade de Deus, e que até mesmo em sua mente ele não deveria sustentar qualquer pensamento contrário a isto, não se permitindo pensar em nada que negue o que São Gregório havia dito. Então, o simples e velho Jó correu até São Gregório e, ajoelhando-se, pediu perdão pela discussão, revelando-lhe tudo o que o anjo de Deus havia dito.

Ora, vedes, meus irmãos, como todos os cristãos, do menor ao maior, devem sempre orar dentro de seus corações: “Senhor Jesus Cristo, tem piedade de mim!”, a fim de que suas mentes e corações sempre tenham o hábito de pronunciar estas santas palavras. Ponderem o quanto isso é agradável a Deus e o bem que isso gera, quando, em Seu infinito amor pela humanidade, Ele enviou um anjo do céu para revelar isso a nós, de maneira que ninguém mais tenha dúvidas a respeito.

Mas o que dizem os leigos? “Estamos sobrecarregados de coisas para fazer e preocupações mundanas; como conseguiremos orar sem cessar?”

Eu lhes responderia que Deus não nos manda fazer o impossível, mas somente aquilo que somos capazes de fazer. E, portanto, isso pode ser feito por qualquer um que busque fervorosamente a salvação de sua alma. Se isso fosse impossível, então seria impossível a qualquer um que vivesse no mundo e não haveria tantas pessoas, em meio ao mundo, que estivessem rezando incessantemente como se deve. Entre estas muitas pessoas, podemos citar o exemplo do pai de São Gregório de Tessalônica, o impressionante Constantino, que, apesar de estar envolvido na vida da corte, sendo chamado de pai e tutor do Imperador Andrônico e ocupado diariamente com questões estatais e familiares – ele tinha uma grande propriedade com muitos servos, uma esposa e filhos – apensar de tudo isso, ele era tão inseparável de Deus, e tão apegado à oração mental incessante, que frequentemente se esquecia o que o Imperador e seus ministros estavam discutindo e frequentemente lhes perguntava a mesma coisa. Os ministros, sem entender o porquê das perguntas insistentes, irritavam-se e o reprovavam por ser tão esquecido e por molestar o Imperador com perguntas repetitivas. Mas o Imperador, sabendo a razão por trás disso tudo, vinha em sua defesa e dizia: “Constantino tem seus próprios pensamentos que, às vezes, não lhe permitem prestar total atenção ao que estamos dizendo”.

Há inúmeras pessoas que, vivendo no mundo, se entregaram à oração incessante, conforme a história atesta. Portanto, meus caros irmãos em Cristo, eu vos exorto – eu, juntamente com São João Crisóstomo – pelo bem da salvação de vossas almas, não negligencies essa oração. Imiteis o exemplo daqueles de quem falei, e sigais seu exemplo o quanto puderes. Em princípio, pode parecer algo muito difícil, mas assegurai-vos, como se isto viesse do Deus Altíssimo, de que o próprio nome de nosso Senhor Jesus Cristo, incessantemente invocado por vós, ajudar-vos-á a superar todas as dificuldades e, com o tempo, vós estareis acostumados e desfrutareis da doçura do nome do Senhor. Então, sabereis por experiência que esta atividade não é impossível nem difícil, mas possível e fácil. É por isso que São Paulo, sabendo muito mais do que nós o grande benefício que esta oração traz, exorta-nos a orar sem cessar. Ele não teria exigido isso de nós se fosse algo assim tão difícil e totalmente impossível, sabendo de antemão que, fosse esse o caso, sendo impossível cumprir a tarefa, seríamos inevitavelmente desobedientes a seu mandamento e nos tornaríamos transgressores dele e, por causa disso, dignos de julgamento e punição. Mas esta não poderia ter sido a intenção do Apóstolo Paulo.

Para orarmos dessa maneira, temos de ter em mente o método da oração, como é possível orar sem cessar, isto é, orar com a mente. Sempre é possível fazer isso, se quisermos. Enquanto nos ocupamos com trabalhos manuais, enquanto falamos, enquanto comemos ou bebemos – sempre é possível orar com a mente, ou a oração agradável a Deus, a verdadeira oração. Trabalhemos com o corpo, mas com a alma, oremos. Que o homem exterior desempenhe todas as atividades corporais, mas que o homem interior esteja completamente entregue ao serviço de Deus e nunca cesse a atividade espiritual da oração mental, conforme Jesus, o Deus-Homem, mandou no Santo Evangelho: Tu, quando orares, entra no teu aposento e, fechando a tua porta, ora a teu Pai que está em secreto (Mateus 6:6). O aposento da alma é o corpo: a porta são os cinco sentidos do corpo. A alma entra em seu aposento quando a mente não perambula aqui e ali, em busca de coisas mundanas, mas quando encontra seu lugar no coração. Os sentidos se fecham e mantêm-se assim quando não lhes permitimos que se apeguem a coisas sensuais exteriores, e, dessa forma, a mente permanece livre de todos os apegos mundanos e, por meio da oração mental oculta, une-se a Deus seu Pai.

E teu Pai, que vê em secreto, te recompensará publicamente, continua o Senhor. Deus, que conhece tudo o que está oculto, vê a oração mental e recompensa com grandes e manifestos dons. Pois esta é a verdadeira e perfeita oração que enche a alma com a graça divina e com dons espirituais – como mirra que, quanto mais estiver contida em um vaso, tanto mais esse vaso exalará fragrâncias. É assim com a oração: quanto mais compartimentada estiver no coração, tanto mais abundará com a graça de Deus.

Bem-aventurados os que se acostumaram com essa atividade celestial, pois através dela vencem todas as tentações dos espíritos malignos, assim como David venceu o orgulhoso Golias. Dessa maneira, eles sufocam os desejos desordenados da carne, assim como os três jovens sufocaram as chamas da fornalha. Por meio da oração mental, as paixões são domadas, assim como Daniel domou as bestas selvagens. Ela traz o orvalho do Espírito Santo ao coração, assim como as orações de Elias trouxeram chuva ao Monte Carmelo. A oração mental alcança o próprio trono de Deus, onde é entesourada em taças douradas e, como um incenso, exala uma doce fragrância diante do Senhor, exatamente como São João, o Teólogo, viu em sua revelação: Os vinte e quatro anciãos prostraram-se diante do Cordeiro, tendo cada um deles uma harpa, e taças de ouro cheias de incenso, que são as orações dos santos (Apocalipse 5:8). A oração mental é a luz que ilumina a alma do homem e inflama seu coração com o fogo do amor a Deus. É a corrente que une Deus ao homem e o homem a Deus. Ó, não há nada que se compare com a graça da oração mental! Ela faz do homem um eterno dialogador com Deus. Ó verdadeira excelência e excelentíssima tarefa! Em corpo vós estais com as pessoas, mas mentalmente conversais com Deus.

Os anjos não possuem vozes audíveis, mas mentalmente rendem louvor constante a Deus. Eis sua ocupação; toda sua vida é dedicada a isso. E tu também, irmão, quando entrares no teu aposento e fechares a porta, isto é, quando tua mente não mais perambular por aí, mas entrar nos recessos interiores do teu coração, e teus sentidos forem trancados e afastados das coisas do mundo, e dessa maneira tu sempre orares, então serás como os santos anjos, e teu Pai, que vê tua oração secreta que rendes a Ele dos tesouros do teu coração, conferirá a ti grandes e manifestos dons espirituais.

E o que mais tu desejas disto, quando, conforme eu disse, mentalmente tu estás sempre na presença de Deus e conversas com Ele incessantemente – tu conversas com Deus, sem O qual nenhum homem jamais será abençoado aqui ou na outra vida.”

São Gregório Palamás

 


A paz do Natal

dezembro 16, 2010

O Natal traz ao coração de todos os homens e mulheres uma mensagem de paz, transmitida por Deus por meio do nascimento de Jesus na humilde manjedoura de Belém! A grande pergunta é: como encontrar a paz do Natal em um mundo agitado por tantas violências?

Você não encontra a paz fora de si, mas em seu interior. Para isso é necessário deixar que Deus faça em seu coração a mesma obra realizada no ventre de Maria. Qual? Deixar que Jesus Cristo seja formado no coração. Como Ele foi formado fisicamente em Maria, quer ser formado espiritualmente em você.

Por que é importante Jesus Cristo estar vivo em seu coração? Ele quer usar os seus olhos para que você reconheça todos os seus semelhantes como filhos de Deus; Ele necessita dos seus lábios para que suas palavras sejam somente para edificar , e jamais destruir; Ele quer os seus pensamentos para que você nunca julgue e nem condene, mas ame e perdoe; Ele precisa dos seus braços e pernas para levar consolo aos fracos e esquecidos. Se metade dos cristãos vivessem assim, o mundo seria um Natal diário.

Tenha tempo para ir a Jesus como os humildes pastores. Tenha a coragem para seguir a luz de Deus que todos os dias ilumina a sua vida. Para dar este passo, basta responder como Maria: “Eis aqui a serva do Senhor. Faça-se em mim segundo a tua palavra. E o anjo afastou-se dela.” (Lc 1,38)

Oração de Natal

Senhor Jesus,
depositamos diante de Tua manjedoura
todos os sonhos, todas as lágrimas e
esperanças contidos em nossos corações.
 
Pedimos por aqueles que choram
sem ter quem lhes enxugue uma lágrima.
Por aqueles que gemem
sem ter quem escute seu clamor.
 
Suplicamos por aqueles que Te buscam
sem saber ao certo onde Te encontrar.
 
Para tantos que gritam paz,
quando nada mais podem gritar.
 
Abençoa, Jesus-Menino,
cada pessoa do planeta Terra,
colocando em seu coração um pouco
da luz eterna que vieste acender
na noite escura de nossa fé.
 
Fica conosco, Senhor!
 Assim seja!

Deus ainda cura?

outubro 12, 2010

Eu ouço constantemente as pessoas dizerem “É a vontade de Deus” ou “Tenho que me conformar com a situação”, quando são confrontadas com uma doença grave ou uma tragédia. O cristão não pode cair nesta armadilha da fatalidade ou conformismo diante da vida. O nosso Deus é maior do que todos os problemas! Para Ele não existem coisas impossíveis! Jesus disse aos seus discípulos que “que é necessário orar sempre sem jamais deixar de fazê-lo.” (Lc 18,1), e logo a seguir perguntou “Por acaso não fará Deus justiça aos seus escolhidos, que estão clamando por ele dia e noite? Porventura tardará em socorrê-los?” (Lc 18,7).

 Aprenda a orar a Deus pedindo a cura. Não Pare. Não desista. Não deixe seus pensamentos, circunstâncias, aparentes demoras ou pessoas tirarem do seu coração a certeza de que Deus salva, cura, liberta, conforta, renova. E Ele faz tudo isso porque é amor!

 Nosso Senhor Jesus Cristo dedicou boa parte do seu ministério para curar e libertar as multidões que o seguiam: “Pela tarde, apresentaram-lhe muitos possessos de demônios. Com uma palavra expulsou ele os espíritos e curou todos os enfermos.” (Mt 8,16). Ele fez os seus discípulos entenderem a importância de continuarem esta obra: “Por onde andardes, anunciai que o Reino dos céus está próximo.   Curai os doentes, ressuscitai os mortos, purificai os leprosos, expulsai os demônios. Recebestes de graça, de graça dai!” (Mt 10,7-8). No livro de Atos dos Apóstolos vemos os as curas acontecendo. Na história da Igreja temos o relato da vida dos santos e dos santuários mostrando a beleza do poder de Deus. Estas evidências apontam para a certeza de que onde existir uma pessoa enferma a bênção estará sempre a disposição. Basta crer, pedir, interceder e Deus abrirá as comportas do céu!

 Não se espante com as minhas afirmações. É a Bíblia quem nos dá o incentivo para orar pela cura. Por exemplo em Tg 5,14-15: “Está alguém enfermo? Chame os sacerdotes da Igreja, e estes façam oração sobre ele, ungindo-o com óleo em nome do Senhor. A oração da fé salvará o enfermo e o Senhor o restabelecerá. Se ele cometeu pecados, ser-lhe-ão perdoados.” e completa “Confessai os vossos pecados uns aos outros, e orai uns pelos outros para serdes curados. A oração do justo tem grande eficácia.” (Tg 5,16).

 Só alguém que enfrenta ou partilha de uma grave doença, dor ou tragédia sabe como é difícil este momento. Eles sabem como é duro lidar com o medo e a incerteza. Eles sabem como soa absurdo quando alguém diz Não podemos perder a esperança”. Eles sabem como é terrível lidar com a dúvida. Jesus disse: “se tiverdes fé, como um grão de mostarda, direis a esta montanha: Transporta-te daqui para lá, e ela irá; e nada vos será impossível.” (Mt 17,19-20). Estas palavras são cheias de ternura, pois Nosso Senhor esta falando da importância de dar crédito à Palavra de Deus. Isso é fé. Nunca se imagine indigno de merecer o favor de Deus. Ele esta sempre pronto a agir em sua vida!

 Deus abençoe você e atenda todas as suas intenções! Ele tem um milagre para a sua vida! Coragem!

Sinta nestas palavras, a minha oração pessoal por você:

 Deus dos impossíveis, em nome de Jesus,

envia o Espírito Santo, sobre teus filhos e filhas,

para despertar a fé, e conceder todas as graças e milagres,

para este momento de suas vidas!

Se você quiser aprofundar este tema quero recomendar a leitura deste livro de minha autoria:

Você o adquire nas melhores livrarias católicas, ou entrando agora em nossa loja virtual:

http://www.lojaencontrocomcristo.com.br/produtos_descricao.asp?lang=pt_BR&codigo_produto=29


A prática da Presença de Deus

setembro 30, 2010

Quero partilhar com você a maravilha da prática da presença de Deus. É uma maneira simples e profunda de viver na presença de Deus o dia inteiro. Leia e descubra o segredo do irmão Lourenço a Ressurreição, que há séculos tem colaborado com o crescimento espiritual de milhares de pessoas.

Nicolau Herman (Lourenço da Ressurreição), nasceu em 1614, em Hériménil, Lorena (actual região do mesmo nome do Nordeste Francês), numa família profundamente cristã.

Aos 18 anos, num dia de Inverno, olhando a natureza despojada, pensando que dentro de pouco tempo as árvores desfolhadas voltariam a florescer, Nicolau é iluminado por uma evidência e uma simplicidade imediatas, percebendo que na base desse processo anual, existe um Ser pessoal, inteligente e cheio de amor. Então, a sua fé em Deus se personifica, recebendo essa graça da Providência e do poder de Deus, que admitirá mais tarde, nunca se ter apagado de sua alma.

Este mesmo ano, a Lorena era ocupada pela França, e o Duque Carlos IV, expulso do seu país, juntou tropas para reconquistar as suas terras. Nicolau alistou-se no exército do Duque de Lorena. Nessa Guerra de Trinta Anos, tristemente célebre pela crueldade desumana, os soldados não recuavam diante de pilhagens ou qualquer género de violência. Mais tarde, Nicolau lastimará o seu passado, deplorando os seus pecados diante de Deus. Se ignoramos naquilo que consistiam verdadeiramente, o que é certo é que a precedente graça tinha desaparecido da sua vida. Duas vezes se encontrará diante da morte; finalmente uma ferida o obrigará a deixar as armas aos 21 anos.

O tempo da cura para o corpo, foi-o também para a alma; e a experiência vivida aos 18 anos voltou à tona. Então resolveu entregar-se a Deus e mudar a conduta passada. Adoptou algum tempo a vida de eremita com outro companheiro. Mas, desconcertado ao ver que ele passava da alegria à tristeza, da paz à tribulação, do fervor à ausência de devoção, não perseverou neste caminho. Foi então para Paris onde foi mordomo na casa do senhor Fieubert, onde ele dirá ter sido “um pesadão que quebrava tudo.”

É aí que o Convento dos Carmelitas da rua Vaugirard (hoje, Instituto Católico) começou a atraí-lo; e mais, um dos seus tios era da Ordem. Nicolau decide aos 26 anos pedir a entrada como irmão converso (não sacerdote), e tomou por nome Irmão Lourenço da Ressurreição. Lourenço era o nome do santo patrono da sua paróquia natal; Ressurreição lhe recordara talvez o renascimento da árvore despojada a quando dos seus 18 anos.

Primeiro, foi cozinheiro ao longo de 15 anos, depois sapateiro do seu convento; após dez anos de penosa caminhada, num sentimento doloroso por causa dos seus pecados, um acto de abandono determinante o liberta, e pouco a pouco, faz-o encontrar o seu próprio caminho espiritual: viver o trabalho como tempo de oração, as tristezas, como as alegrias, na “Presença de Deus”; transformando todas as suas ocupações à “maneira de pequenas conversas com Deus, sem prever, como calhar…sem necessidade de delicadezas, estar com bondade e simplicidade.” O único método da vida espiritual do Irmão Lourenço foi de certo modo o exercício da Presença de Deus que consistiu em “agradar e acostumar-se na divina companhia, detendo-se amorosamente com Ele em todo o tempo.” Assim, a alma é conduzida “insensivelmente a este simples olhar, a esta visão amorosa de Deus em tudo, que é a mais santa e mais eficaz maneira de oração.” “Na via de Deus, os pensamentos são tidos em conta como pouco, o amor faz tudo.” O encanto do Irmão Lourenço atrai numerosas pessoas que lhe vem pedir conselhos: é assim que as suas cartas ou notas dados oralmente chegaram até nós.

No início de 1691, o Irmão Lourenço adoece. Como o seu mal aumentava, deram-lhe o Sacramento dos Enfermos. A um religioso que lhe perguntara o que ele fazia e com que ocupava o seu espírito, ele respondeu: “Faço o que farei na eternidade, bendigo a Deus, louvo a Deus, adoro e amo-O de todo o coração, eis o nosso trabalho, meus irmãos, adorar a Deus e amá-l’O, sem se preocupar do resto.” Depois, com a paz e a tranquilidade de alguém que adormece, o Irmão Lourenço morre em 12 de Fevereiro de 1691, aos 77 anos.

Pouco tempo depois, o abade José de Beaufort, vigário geral do cardeal de Noailles, e amigo do carmelita sapateiro ao longo de um quarto de século, fez conhecer a mensagem de Lourenço em duas obras biográficas que, em 1991, foram publicadas numa edição crítica. Selado com o selo da simplicidade e da verdade, essa mensagem não envelheceu em três séculos.

A prática da Presença de Deus, como maneira orante, aconselhada pelo Irmão Lourenço, valeu-lhe uma irradiação inter-confessional. A sua espiritualidade do dever de estado faz com que todos os estados de vida nele se encontrem. Se a sua insistência sobre as virtudes teologais, fé, esperança e caridade, lembram os ensinamentos de São João da Cruz, a locução de Lourenço denuncia uma familiaridade com Santa Teresa de Jesus, recordando em particular a “oração recolhida, de meditação”. Enfim, o quietismo não teve nenhuma influência nele: o seu abandono confiante inscreve-se na colaboração da alma à obra divina, e, a ascese como meio de dispor o corpo e o espírito ao encontro do Deus vivo.

Tradução da biografia de Lourenço da Ressurreição – Site do Carmelo de França